Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/04/2016

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (135) – Os afundadores

É ensurdecedor mas por vezes audível. Como ontem, em que se fez ouvir a voz de António Galamba com um artigo no jornal i a propósito do 42.º aniversário da fundação do PS, onde escreveu sobre o que para ele parece ser a "afundação" do PS pelos afundadores:

«É cívico reconhecer que, apesar dos esforços, a realidade dos números da economia são preocupantes, no território nacional e na relação com o exterior (Portugal com défice externo pelo quarto mês seguido).

É cívico sublinhar que é impossível encontrar um sentido de equilíbrio na governação quando quem apoia o governo no parlamento todos os dias procura marcar a agenda política do dia, apresenta propostas de aumento da despesa, direta ou indireta, e exercita a criatividade política em torno do magno debate sobre a designação do cartão oficial de identificação. A quadratura do círculo é um programa de televisão, nunca será um modelo de governação, porque o cobertor não estica. O facilitismo é o principal adversário da previsibilidade prometida: saber com o que podemos contar, agora e no futuro próximo, para evitar as políticas iô-iôs que mudam em função das circunstâncias ou dos políticos no poder.»

Sem comentários: