Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/04/2016

Chávez & Chávez, Sucessores (41) – Depois do racionamento do papel higiénico, o racionamento do trabalho

Outras obras do chávismo.

Com inflação prevista pelo FMI a ultrapassar este ano os 700% e a impressora socialista a trabalhar a todo o vapor é um facto normal da vida os caixas automáticos de Caracas entregarem geralmente séries sequenciais de notas. Isso, as prateleiras vazias e as entradas condicionadas a dois dias por semana nos supermercados já fazem parte das conquistas do chávismo.

Com o anúncio na quarta-feira à noite por Maduro na televisão de uma medida para racionar o consumo de água e electricidade, o chávismo atingiu o estádio superior do socialismo bolivariano. «Amanhã deve sair na Gazeta Oficial, o decreto especial estabelecendo todos os dias de sexta-feira, como dias não laboráveis a partir de sexta-feira desta mesma semana, durante abril e maio», disse o querido líder que tem visões onde lhe aparece Chávez encarnado num pajarito.

Tenho a certeza que, mesmo sem a falta de água, uma medida similar proposta pelos admiradores do socialismo bolivariano (do PCP ao BE passando pelos verdadeiros socialistas do PS) seria muito bem aceite pela Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública.

1 comentário:

Anónimo disse...

Isto é uma malta filha de uma mãe querida.