Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/04/2016

ACREDITE SE QUISER: Um dos poucos exemplos restantes de indefectibilidade (2)

Com frequência Nicolau Santos, o nosso pastorinho da economia dos amanhãs que cantam favorito, tem sido vítima de críticas impertinentes. Hoje vamos exaltar pela terceira vez em tempos recentes a sua indefectibilidade. Primeiro ao par Costa/Centeno, no dia seguinte à geringonça em geral e a Costa em particular e hoje vamos exaltar o seu regresso a fidelidades mais antigas, ainda que da mesma família.

Num artigo apropriadamente intitulado «O dia de Brutus», Nicolau Santos aproveita a comemoração no passado dia 6 de Abril do 5.º aniversário da chamada dos bombeiros de Bruxelas para reescrever a história, contando a sua estória e fazendo um exercício de passa-culpas para Cavaco Silva («inimigo declarado das opções de Sócrates»), Carlos Costa, os banqueiros portugueses, Passos Coelho e Paulo Portas (todos «em grande unanimidade» visando «derrotar Sócrates e afastar o PS do poder»).

Não podendo negar o inegável, concede que «Sócrates conduziu o país ao abismo» acrescentando não a clássica conjunção adversativa de João Miguel Tavares (o «mas»), mas um «embora»: «embora fizesse tudo para evitar o pedido da ajuda internacional». Concordo, embora o maior contributo de Sócrates tenha sido fazer tudo para que o pedido da ajuda internacional fosse inevitável.

Mas (cá está outra vez a adversativa) o mais surpreendente não é o passa-culpas para os suspeitos do costume. O mais surpreendente é o culpado que Nicolau acrescenta e de quem durante muitos anos foi igualmente indefectível - o assistente para as finanças do querido líder. Termina assim a sua estória:
«Tão isolado e com inimigos tão poderosos, dificilmente Sócrates poderia sobreviver. Faltava apenas encontrar quem quisesse empunhar o punhal e desferir o golpe fatal. Foi Teixeira dos Santos. Brutus é sempre quem está mais próximo do líder

3 comentários:

Anónimo disse...

Coitadinho do pinto de susa. Foi encornado pelo teixeira.

Unknown disse...

Artur, perdão, Prof.Doutor Artur Baptista da Silva - assim é que é - no exercício do rigor informativo , imbuído de exigente ética e acrisolado amor à verdade...

luis barreiro disse...

Sinceramente e sem rodeios acho um grande vergonha para os vários antepassados do nicolau vígaro o que ele escreveu.