Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/04/2016

LASCIATE OGNI SPERANZA, VOI CH'ENTRATE: O insustentável peso da realidade

«É esse, talvez, o “essencial”: neste momento, Portugal não tem meios, nem para ser liberal, nem para ser socialista. Os liberais não podem cortar impostos a fim de libertar os cidadãos dos constrangimentos fiscais, nem os socialistas podem “investir” a fim de acumular recursos no Estado. No Portugal de hoje, qualquer arrebatamento liberal ou qualquer obstinação socialista gerariam imediatamente um défice orçamental que seria impossível de financiar nos mercados internacionais. Por isso, vimos, entre 2011 e 2015, um governo acusado de “liberal” a proceder a um “enorme aumento de impostos”, e vemos agora outro governo, orgulhoso do seu “socialismo”, a preparar discretamente “cativações” para o que der e vier. Enquanto a nossa respiração financeira depender da máquina europeia, estaremos todos muito “unidos no essencial”: a austeridade.»

«O paradoxo do presidente»,  Rui Ramos no Observador

Discordo no que respeita à nossa respiração financeira que depende sobretudo da dívida que acumulámos nos últimos 40 anos e que a máquina europeia nos permite ir suportando. Quem optou por se endividar optou por não ter opções e é por isso que esquerda e direita se diferenciam sobretudo pelo que dizem mas pouco pelo que fazem. 

1 comentário:

Anónimo disse...

«Quem optou por se endividar optou por não ter opções e é por isso que esquerda e direita se diferenciam sobretudo pelo que dizem mas pouco pelo que fazem.»

Ah, ah