Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/04/2016

CASE STUDY: «A única função das previsões económicas é tornar respeitável a astrologia»

Recordei a blague em título de John Kenneth Galbraith a propósito da divergência entre as previsões do ministro das Finanças e as do BdeP aqui assinaladas pelo Insurgente. Na verdade, a blague de Galbraith é uma boa comparação para descrever as previsões nos programas dos governos e sobretudo nos programas dos partidos antes das eleições. Embora não haja inocentes neste campo, o Partido Socialista está claramente mais próximo da astrologia.

Quando falo de astrologia, não me refiro apenas às previsões estritamente económicas – como o crescimento do PIB – que dependem de muitas variáveis que o governo não controla. Refiro-me principalmente às previsões orçamentais sobre as quais o governo tem poucas desculpas. Para não ir mais longe, veja-se a série de posts «SERVIÇO PÚBLICO: o défice de memória» e registe-se em particular o défice de 2009 que Teixeira dos Santos começou por prever em 2,2% e acabou em 10,0%.

Voltando às previsões económicas que, para simplificar, são baseadas numa de duas metodologias: um modelo teórico (por exemplo do tipo DSGE = «dynamic stochastic general equilibrium») ou um método empírico baseado em dados históricos. Há uns tempos atrás a Economist fez um interessante exercício de comparação das previsões do FMI para o conjunto dos países da base de dados do WEO com uma antecipação variando entre 21 e 3 meses e previsões da própria Economist baseadas em dois métodos de pura ironia (percentagem aleatória entre -2% e +10% e uma taxa fixa de 4%) e um terceiro baseado no crescimento do ano anterior. O resultado em termos do erro absoluto médio pode ver-se no diagrama seguinte.

Fonte: A mean feat, The Economist
Repare-se como o erro absoluto médio da previsão do FMI começa por ser uns 2,7% a 21 meses e mesmo a 3 meses é ainda medíocre (1,5% ou em termos relativos quase 50%). Compare-se com o erro absoluto médio nas previsões baseadas no ano anterior (menos de 3%) que é apenas um pouco superior às previsões «científicas» do FMI a 15 meses (cerca de 2,5%).

Aposto que previsões baseadas em números aleatórios seriam preferíveis às previsões feitas pela «ferramenta analítica» dos lentes da Mouse School of Economics.

Sem comentários: