Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/04/2016

Estado empreendedor (99) – Ainda a pesada herança do socratismo

Metade da frota da Transtejo e da Soflusa está parada, avariada ou sem certificado de navigabilidade, incluindo dois ferries encomendados à Navalria em 2010 com defeitos de construção resultantes da falta de conhecimento e experiência desta empresa.

Já agora, quem é Navalria? É uma pequena empresa de construção naval comprada pela Martifer em 2008 no mesmo ano em que ganhou o concurso público para a construção dos ferries. E, se não for perguntar demasiado, quem é a Martifer? É a metalúrgica do regime, uma empresa dos irmãos Martins, em tempos um dos exemplos de sucesso de José Sócrates e uma das meninas dos olhos do jornalismo promocional (exemplo: o pastorinho da economia dos amanhãs que cantam, Nicolau Santos), que em estado desesperado quase falida foi acolhida em 2007 pela Mota-Engil, a construtora mais emblemática do regime, de que foi presidente executivo Jorge Coelho.

Estamos, portanto, perante mais uma sequela do complexo político-empresarial socialista montado por José Sócrates. Não, não é falta de sorte. É inerente e intrínseco ao sistema.

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Tenho que cumprimentar pelos bons posts que aqui traz.