Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/04/2016

DIÁRIO DE BORDO: Gratuito é algo muito caro

Ocorreu-me ao ler este artigo de Paulo Ferreira no Observador, haver uma lacuna indesculpável no Glossário das Impertinências. Já não há.

Gratuito 

Designa em socialês algo tão caro que quem se propõe «oferecer» a uns não tem coragem de dizer o preço que será pago por outros.

Exemplos:
  • Autoestradas SCUT, cujas portagens pagas pelos utilizadores correspondem de 10% a 20% dos custos anuais, sendo os outros 80% a 90% pagos pelos contribuintes, muitos dos quais não põem as rodas numa SCUT; 
  • Manuais escolares gratuitos, cujos custos são pagos na sua quase totalidade por pais cujos filhos ainda não ou já não utilizam manuais.

2 comentários:

Anónimo disse...

No riquíssimo Glossário faltam uns exemplos. Cada coisa a seu tempo.
Abraço

Anónimo disse...

Ou... nunca usarão.

Agent Provocateur