Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/04/2016

Pro memoria (304) – Varoufakis não é como a mulher de César

A mulher de César era séria mas não parecia. Já não havia sérias razões para ter dúvidas que Yanis Varoufakis, o ex-ministro grego das Finanças (ou das finanças Gregas, se preferirem), mestre do doublespeak, não era sério, nem ao menos parecia.  A notícia seguinte (em castelhano, por ser mais castiço) tira quaisquer dúvidas:

«El podemita griego Varoufakis (*) cobra sus charlas de 50.000 € a través del paraíso fiscal de Omán

Yanis Varoufakis, líder de 'Plan B para Europa', la formación de izquierda radical europea ha saltado a la opinión pública con un escándalo sobre sus propias finanzas. Los 'papeles de Panamá' han vuelto a poner el foco en cuentas 'offshore' en paraísos fiscales. El dimitido ministro heleno tasa en hasta 60.000 dólares sus ponencias por todo el mundo.»

(*) Simpatizante ou militante do «Podemos» ou, em geral, de uma agremiação esquerdista.

Declaração de interesse:
Não tenho a opinião que seja necessariamente criminoso ou eticamente reprovável ter uma conta bancária offshore. Depende, como já escrevi. Quem acha isso é a esquerdalhada em geral e, em particular, o ramo radical chic a que pertence o camarada Yanis.

1 comentário:

Anónimo disse...

Vous avez un discours asssez radical et très chic. Vrai!

Je vous envoie ma étreinte.