Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/04/2016

CASE STUDY: Mais horas de matemática aumentam o emprego dos professores de matemática

«Para os autores do estudo «O que faz uma boa escola», do projecto aQeduto, que será apresentado nesta terça-feira, o aumento registado em Portugal “pode estar associado à melhoria de desempenho” dos alunos portugueses de 15 anos a Matemática, registada nos testes internacionais PISA, cujo resultado médio passou de 466 pontos, em 2003, para 487 em 2012», escreve o Público.

O único resultado indiscutível de 5 horas semanais de matemática contra as 3 horas da média europeia é o aumento do emprego dos professores de matemática. Por várias razões, a começar porque os mais 70% de tempo de aulas continuam a deixar-nos claramente abaixo da média dos testes PISA, mesmo sem os corrigir dos «truques para apresentar resultados rápidos de sucesso para enganar os eleitores».

E a propósito cito as três conclusões que o Pertinente retirou do estudo «Education at a Glance 2015 OECE Indicators» que põem em causa as teses sindicalista da Fenprof:

1.ª – Em relação à média da OCDE, os professores portugueses já gastam menos tempo no ensino e aprendizagem e mais tempo a manter a disciplina apesar de uma média menor de alunos por turma.
2.ª – ... o número de alunos por turma é inferior à média da OCDE e não há nenhum correlação visível entre este número e a eficácia do ensino.
3.ª -  número de alunos por professores em todos os níveis de ensino é inferior em Portugal à média OCDE e à média UE21 e, uma vez mais, não há nenhuma correlação visível entre este número e a eficácia do ensino.

E acrescento: «repare-se que em relação à média OCDE, Portugal tem claramente menos alunos por professor do que o número de alunos por turma. Porquê? Ora, porque haveria de ser? Porque muitos dos professores não ensinam: estão de baixa ou requisitados pelos sindicatos para fazer agitprop

1 comentário:

hf disse...

E ainda se pode acrescentar os professores que enchem os edifícios da 5 de outubro e da 24 de julho que não sabem o que é uma escola ou uma sala de aulas.