Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/03/2016

Pro memoria (303) – Alguma falta de bom senso e de previsão

Sobre a contratação de Maria Luís Albuquerque pela Arrow Global já aqui e aqui escrevi e não fui meigo. Contudo, impõe-se acrescentar que segundo informação do ministério das Finanças de Centeno ao parlamento:

  • Os benefícios fiscais da Arroz Global são, «benefícios de natureza automática, não dependendo de qualquer decisão particular ou discricionária, nem de contratos específicos»;
  • «Não foi encontrado registo de eventual relação jurídica ou contratual entre o Estado Português e as referidas empresas, nem de operações financeiras, emissões de dívidas e outras em que as referidas empresas tenham participado»;
  • «No que diz respeito às empresas participadas pelo Estado, não se dispõe de informação sobre qualquer eventual relacionamento das mesmas com as empresas referidas pela subcomissão».

Confirma-se assim não só não haver qualquer ilegalidade como nada fazer supor uma contratação para pagar favores. O que resta? Manuela Ferreira Leite, que aceitou ser administradora do Santander de Negócio 20 meses depois de ser ministra das Finanças, classificou a aceitação de MLA como «ausência total de bom senso».

Foi um manifesto exagero. Talvez alguma falta de bom senso de MLA ao esquecer que um político, ainda que acidental, não precisa só de ser sério, também precisa de parecer – um cínico diria basta parecer – e ao não ter previsto que a esquerdalhada lhe saltaria à garganta – a mesma esquerdalhada que ainda hoje entende que o problema de Sócrates é a violação do segredo de justiça e o problema de Lula e de Dilma é a «república de juízes». MLA, como pessoa competente que é, facilmente encontraria outra alternativa de trabalho. Não havia necessidade.

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Fico com pele de galinha, quando vejo pessoas como MFLeite ou ministro da finanças de socrates a debitarem tanta sentença. O decoro publico que todos devemos ter, aconselha-me a falar em privado e largar essa exposição; mais quando o que se tem para mostrar é uma banca rota ou a continuação do desastre da educação.