Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/03/2016

Lost in translation (267) – A Fenprof controlada pelos comunistas quer mais apparatchiks

É isso que significa em sindicalês «Esquerda quer menos alunos por turma para reduzir indisciplina», por várias razões:

1.ª – Em relação à média da OCDE, os professores portugueses já gastam menos tempo no ensino e aprendizagem (ver diagrama da esquerda) e mais tempo a manter a disciplina apesar de uma média menor de alunos por turma.


2.ª – Confirma-se no diagrama seguinte que o número de alunos por turma é inferior à média da OCDE e não há nenhum correlação visível entre este número e a eficácia do ensino.

3.ª – O diagrama seguinte mostra que o número de alunos por professores em todos os níveis de ensino é inferior em Portugal à média OCDE e à média UE21 e, uma vez mais, não há nenhuma correlação visível entre este número e a eficácia do ensino


(Fonte: Education at a Glance 2015 OECE Indicators)

Já agora, repare-se que em relação à média OCDE, Portugal tem claramente menos alunos por professor do que o número de alunos por turma. Porquê? Ora, porque haveria de ser? Porque muitos dos professores não ensinam: estão de baixa ou requisitados pelos sindicatos para fazer agitprop.

Sem comentários: