Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/03/2016

ACREDITE SE QUISER: Quando o que subiu desce, o que desceu pode não subir e o que não desceu pode subir (2)

Este post é como que uma continuação de (1).

A ferramenta analítica do PS
Depois de a «ferramenta analítica» de um grupo de economistas do PS ter permitido há um ano avaliar que a descida do IVA da restauração de 23% para 13% «pode tonificar o PIB em mais 0,2%», agora que o PS foi capaz de descer o IVA, avolumam-se dúvidas sobre se o PS consegue tonificar o PIB.

Perante a dúvida angustiante nos gabinetes da Mouse School of Economics, o reitor Costa, esquecido da «ferramenta analítica», veio esclarecer:

«Se houver redução de preços, excelente. Mas não é esse o principal objetivo do Governo. O principal objetivo do Governo é a sustentabilidade das empresas, a criação de condições para que possam investir, e sobretudo para que possam criar emprego»

Segundo o inquérito do Expresso do mês passado «os preços não descem, emprego talvez aumente». Uma vez mais, se os preços não descem a procura não sobe e se se preços se mantêm a única coisa que acontece é aumentarem as margens de lucro que poderiam ser usadas para investir mas se a procura não sobe para quê investir? É mais uma grande ideia socialista «inconseguida», para usar o neologismo da extinta presidenta da AR.

Sem comentários: