Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/03/2016

Dúvidas (149) – Insanidade ou leituras apressadas do Milton?

Créditos adamsmith.org, (via Zero Hedge)
«Atirar dinheiro de um helicóptero será a solução para a crise?» pergunta-se o Observador e respondeu o Telegraph ainda antes da pergunta ser feita «Draghi may have to throw money out of a helicopter».

É certo que o autor do sound bite foi o falecido Milton Friedman, um economista respeitável e respeitado (não por toda a gente), mas, que diabo!, o homem estava a falar de uma situação particular (liquidity trap), numa economia em particular (os Estados Unidos que tinha e tem um mercado interno enorme e onde as importações representam pouco mais de 10% do PIB), num período em particular (fins dos anos 60),

É melhor duvidar que esta medicina seja de espectro largo, como a aspirina, Aspirina que, de resto, trata essencialmente dos sintomas e alivia as dores (nisso é parecida com com as taxas de juro negativas, o alívio quantitativo e .. o helicopter money), Se aplicássemos esta aspirina, por exemplo aqui na jangada de pedra, em substituição das reformas necessárias para aumentar a produtividade e qualificação da mão-de-obra e a competitividade das empresas numa economia em que as importações pesam 1/3 do PIB, estão a ver o que aconteceria? Não? Basta só rever o que aconteceu durante 25 anos a contar de 1986 e em particular depois da adopção do Euro.

Para mais pormenores ver a etiqueta Quantitative easing, onde o Impertinente pendurou quase quatro dezenas de posts tratando destas medicinas alternativas.

Sem comentários: