Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/03/2016

Pro memoria (302) - A doutrina Somoza infecta irremediavelmente o trotskismo embalsamado do professor Louçã

«O fim pode justificar os meios
se houver algo que justifique o fim
Para quem não saiba, o professor Louçã foi um fundador da Liga Comunista Internacionalista (LCI) representante em Portugal da IV Internacional, uma dissidência de inspiração trotskista da Internacional Comunista. Depois de 3 décadas a tentar vender com pouco sucesso o produto LCI, Louçã fez uma fusão com os maoístas da UDP e outros grupelhos trânsfugas do PCP e inventou a nova marca Bloco de Esquerda.

Aliviado da ditadura do proletariado e da revolução permanente e de outras tretas trotskistas e maoístas, o BE adoptou as «causas fracturantes» do marxismo cultural, isto é do politicamente correcto. O que Louçã não se aliviou foi da moral dupla, dos dois pesos e duas medidas, em suma do que aqui no (Im)pertinências baptizámos de doutrina Somoza.

O exemplo mais recente é o seu artigo «Brasil: um golpe de Estado em transmissão directa» que João Miguel Tavares dissecou entrando «Na cabeça de Francisco Louçã».

O artigo de Louçã começa assim
«Assistimos no Brasil a um golpe de Estado em transmissão directa, por vezes em câmara lenta, outras em aceleração frenética. É assim que se procede no século XXI: em vez de tanques nas ruas, tudo começa com um juiz que quer derrubar um governo, declarando guerra ao princípio da soberania democrática. É golpe curto, bem sei, prender para eliminar politicamente e depois deixar as coisas seguirem o seu destino.» 
É claro que Louçã não é parvo e não faz um discurso como o dos comunistas mumificados do PCP. Ele não nega os factos inegáveis mas, uma vez mais, para ele o problema não está na corrupção do PT, o problema está em o que para ele é a «direita» se estar a aproveitar do facto para derrubar o pêtismo. Evidentemente não seria um problema se a «direita» estivesse no poder e o pêtismo tentasse derrubá-la pela mesmíssima razão.

1 comentário:

Anónimo disse...

Não sei será daqui, se do inferno ou se do Céu. Mas hei-de ver o Chico a ser velado na estrela da lísbia.