Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/03/2016

ACREDITE SE QUISER: Apanhado entre «aquele olhar de macho» e a ilegalidade

O sujeito que escreveu a respeito dos taxistas
«Sem generalizar, [os taxistas do aeroporto] são pouco sérios na escolha dos percursos, são pouco educados, ignoram os passageiros na hora de ouvir o relato da bola, apresentam-se mal e não evitam aquele olhar de macho quando a cliente tem a saia mais curta» 
e também escreveu a respeito da Uber
«A história começa com mais um estrondoso caso de sucesso de uma startup californiana, a Uber, que criou uma aplicação que liga clientes a táxis privados (viaturas privadas conduzidas por não profissionais), permitindo assim deslocações cujo preço é, em princípio, mais económico quando comparado com o serviço equivalente em táxis normais.» 
foi o mesmo sujeito que um ano e uns meses depois, com o chapéu de secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, com a tutela dos transportes disse no parlamento ser «evidente que a Uber era ilegal».

(Fonte: Observador)

1 comentário:

Anónimo disse...

Chapéus há muitos...
Estúpidos também.