Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/03/2016

SERVIÇO PÚBLICO: A Internacional da Indignação (9)

«Segundo o jornal O Globo:

“A ONU Mulheres, entidade das Nações Unidas para a igualdade de gênero, condenou nesta quinta-feira, por meio de uma nota pública, a ‘violência política de ordem sexista’ contra a presidente Dilma Rousseff, primeira mulher a assumir o cargo no Brasil. Segundo o comunicado, a discordância política não pode justificar a banalização da violência de gênero, uma prática patriarcal e misógina que invalida a dignidade humana.”

Quando Lula, nas conversas gravadas, chama a deputada Maria do Rosário de “mulher de grelo duro” e afirma que Clara Ant “achou que era um presente de Deus ver tanto homem na casa dela quando os agentes da polícia federal chegaram”, a ONU Mulheres não considerou isso uma prática patriarcal e misógina que invalida a dignidade humana».

Um comentário de Doublet a este post do Blasfémias.

1 comentário:

Anónimo disse...

A ONU Mulheres é isso mesmo: mulherio