Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/03/2016

Mitos (227) – O terrorismo resulta das políticas de direita

Na verdade, o mito completo é: resultam das políticas de direita «o terrorismo, a pobreza, a fome, o desemprego, os baixos salários, a criminalidade, a guerra, a degradação cultural, artística, social e ambiental». Fiquemo-nos, por agora, pelo terrorismo e vejamos alguns exemplos de terroristas indignados com as políticas de direita.

Para evocar um exemplo histórico, lembro Osama bin Laden, o fundador da al-Qaeda, filho do multimilionário Mohammed bin Awad bin Laden. Teve uma epifania em 1979 com 22 anos e alistou-se nos Mujahidin para combater a União Soviética no Afeganistão. Fundou em 1988 e financiou durante anos a al-Qaeda com dinheiro da família.

Nizar Trabelsi um tunisino envolvido nos atentados do 11 de Setembro chegou à Bélgica para jogar no Standard de Liège, transferiu-se para o Fortuna de Dusseldorf, e aí «perdeu-se no álcool, nas drogas e no sexo, tornando-se um alvo apetecível para a Al-Qaeda». (Fonte)

Os dois irmãos Brahim e Salah Abdeslam implicados nos atentados de Paris e Bruxelas antes da epifania induzida pelo Daesh, por alturas de Fevereiro de 2015, «fumavam, bebiam, dançavam e gostavam de mulheres. ... (No) café dos Abdeslam (...) fumavam cannabis, jogavam poker a dinheiro e viam jogos do Real Madrid na televisão». (Fonte)

Podia continuar porque abundam os exemplos de almas perdidas atingidas por uma epifania que lhes mostra o caminho para a redenção. É esse o padrão mais comum no terrorismo islâmico. Veja-se por exemplo o item «Profiles of terrorists» na entrada «Islamic terrorismo» da Wikipedia onde são citados vários estudos.

Também é observável um outro padrão entre as almas que tendem a explicar o terrorismo pelas políticas de direita, ou pela pobreza, pela fome, pelo desemprego, pelos baixos salários, pela criminalidade, pela guerra, o que vem a dar no mesmo. Esse padrão, segundo os meus «estudos», é um QI baixo associado a um sectarismo doentio.

1 comentário:

Anónimo disse...

Quem quiser exemplos de insultos à inteligência, pode ir pelo caminho das pedras: dinheiro com fartura. Matar por desporto. Então a Protectora e os pam-pam não protegem os animais? Ou será só os que andam de quatro?