Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/03/2016

Dúvidas (150) - «Adeus Portas; se olharmos para trás vemos o quê?»


Vemos o quê?, pergunta Henrique Monteiro. Nós por cá vemos o político mais fingidor, o salta-pocinhas do argumentário e da demissão irrevogável, entre muitas outras coisas, igualmente pouco recomendáveis.

Por isso, acompanho o retrato de Paulo Portas esboçado por Henrique Monteiro e subscrevo o seu palpite:
«Agora que chega ao fim o seu ciclo, passando a liderança a Assunção Cristas, Portas é visto pela generalidade dos jornalistas e alguns comentadores como um génio da política. Sem querer desmentir tais atributos, a pergunta que deixo é esta: se o que aqui escrevi é verdade, que lugar lhe reservará a História? O meu palpite é cruel: nenhum. Mas isso é o que acontece à maioria das pessoas.»

Sem comentários: