Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/03/2016

Pro memoria (299) - «Ausência total de bom senso»

«Maria Luís Albuquerque foi contratada para diretora não-executiva, para o Comité de Auditoria e Risco, de uma financeira britânica – a Arrow Global.» (Fonte) A Arrow Global tem como clientes vários bancos portugueses e comprou em 2014 uma carteira de créditos malparados ao Banif nessa altura intervencionado com 60% do capital do Estado, quando Maria Luís Albuquerque era ministra das Finanças e tutelava, digamos assim, o Banif.

Noutro país de bons costumes isso seria considerado um grave conflito de interesses. Por cá depende. Pelo lado dos partidos da geringonça é gravíssimo, é uma pouca-vergonha. Pelo lado do PSD, reina até agora o silêncio com poucas excepções, sendo uma delas a de Manuela Ferreira Leite que implicitamente falou em ilegalidade (não é) e não poupou nas palavras classificando a coisa como «ausência total de bom senso».

Tendo a concordar, apesar de Manuela Ferreira Leite não estar na melhor posição para o dizer, depois de ter sido ministra das Finanças até Julho de 2004 e aceitar ser administradora do Santander de Negócios em Fevereiro de 2006, para em Junho de 2008 ser eleita presidente do PSD.

Sem comentários: