Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/03/2016

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: But me no buts

«Diz-me onde colocas o teu “mas” e eu dir-te-ei quem és. Um dos segredos para compreender as genuínas convicções de qualquer pessoa que fale sobre Lula da Silva ou José Sócrates está em detectar o lugar onde no seu discurso surge a conjunção adversativa “mas”. (…)

Não é, de todo, equivalente dizer: “A forma como os telefonemas de Lula foram divulgados pelo juiz Sérgio Moro é inadmissível, mas a aceitação por parte de Lula de um cargo de ministro de Estado é intolerável.” Ou dizer: “A aceitação por parte de Lula de um cargo de ministro de Estado é inadmissível, mas a forma como os seus telefonemas foram divulgados pelo juiz Sérgio Moro é intolerável.” (…)

O que é isso de uma “república dos juízes”, eu não faço ideia, porque nunca vi nenhuma. Já um regime corrupto sei muito bem o que é, porque continuo a ver muitos. E contra isto não há mas, nem meio mas.»

«O lugar da adversativa», um artigo de João Miguel Tavares no Público, que eu gostava de ter escrito

Sem comentários: