Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/03/2016

ACREDITE SE QUISER: A mão de Deus


Lembram-se do golo de Maradona marcado no Mundial de 1986 contra a Inglaterra? Confrontado com as imagens que mostravam que o golo fora marcado com a mão, Maradona disse – ou diz-se que disse – «se foi a mão, foi a mão de Deus».

Trinta anos depois, quatro investigadores chineses Ming-Jin Liu, Cai-Hua Xiong, Le Xiong, e Xiao-Lin Huang publicaram um paper sobre a mão («Biomechanical Characteristics of Hand Coordination in Grasping Activities of Daily Living») onde concluem
«A ligação funcional explícita indica que a característica biomecânica da arquitetura conjuntivo tendíneo entre os músculos e articulações é o projecto adequado pelo Criador para realizar uma infinidade de tarefas diárias de uma maneira confortável.»
Creditar o Criador pela sua putativa obra deu um certo escândalo e o editor open-source PLoS ONE sentiu-se obrigado a retractar-se pela publicação do paper. A meu ver, é uma reacção manifestamente exagerada. Afinal os autores, à míngua de uma explicação «científica racional» para o milagre da mão humana, em vez de manipularem os dados do estudo, como alguns investigadores fazem, simplesmente invocaram a mão de Deus.

1 comentário:

Dr. No disse...

Curioso que tenham sido chineses, geralmente não católicos, a invocar o Criador!