Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/03/2016

SERVIÇO PÚBLICO: A Internacional da Indignação (7)


Nesta série de posts temos apresentado exemplos da praga que contamina várias universidades, sobretudo americanas, onde, a pretexto de combater o que a idiotia universitária considera politicamente incorrecto, se combate e compromete a liberdade de expressão.

Desta vez, não se trata de mais um exemplo dessa idiotia. Pelo contrácio, em resposta à epidemia dessas manifestações de idiotia, a universidade de Chicago nomeou um Comité sobre a Liberdade de Expressão para produzir uma declaração sobre o compromisso da universidade com a liberdade de expressão. O produto final é um exemplo de clarividência e fidelidade aos princípios que suportam uma sociedade democrática e liberal e pode ser lido integralmente aqui.

A declaração começa por citar antigos presidentes da universidade, dos quais destaco Hanna Holborn Gray, que disse lapidarmente
«Education should not be intended to make people comfortable, it is meant to make them think. Universities should be expected to provide the conditions within which hard thought, and therefore strong disagreement, independent judgment, and the questioning of stubborn assumptions, can flourish in an environment of the greatest freedom.» 
e termina concluindo
«As a corollary to the University’s commitment to protect and promote free expression, members of the University community must also act in conformity with the principle of free expression. Although members of the University community are free to criticize and contest the views expressed on campus, and to criticize and contest speakers who are invited to express their views on campus, they may not obstruct or otherwise interfere with the freedom of others to express views they reject or even loathe. To this end, the University has a solemn responsibility not only to promote a lively and fearless freedom of debate and deliberation, but also to protect that freedom when others attempt to restrict it.»

2 comentários:

Anónimo disse...

Nos últimos 15 anos dos 45 em que dei aulas numa faculdade, dizia aos alunos:
A escola é para ensinar. A faculdade é para formar.

Abraço

Anónimo disse...

Adenda: Pelos vistos fui muito mole, delicado.