Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/06/2015

Mitos (199) – A nossa justiça falha porque não tem os meios (2)

Em uma espécie de continuação deste longínquo post, veja-se o diagrama seguinte publicado na revista Tabu do jornal SOL. O que terá acontecido por voltas de 1995 que explique o aumento acelerado a partir daí dos processos judiciais pendentes nos tribunais? Terão sido dizimados em massa magistrados?


Foi com esta dúvida angustiante que procurei uma resposta na PORDATA e confirmei no diagrama seguinte que não ocorreu nenhuma exterminação maciça de magistrados e muito menos dos efectivos totais de pessoal. Pelo contrário.


O que ocorreu foi uma quebra do número de processos findos por magistrado e, consequentemente, um inevitável aumento dos processos pendentes por magistrado, para o qual não conheço explicação para além da coincidência do início de uma longa estadia de 12,5 anos do Partido Socialista no poder.

Sem comentários: