Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/06/2015

DIÁRIO DE BORDO: Qual é o préstimo da coragem de José Sócrates?

«Goste-se ou odeie-se José Sócrates…» é assim, com esta (de Nicolau Santos no Expresso Curto) ou outra variante, que, a propósito da recusa de José Sócrates de trocar a prisão preventiva pela prisão domiciliária com a pulseira (de Vera Jardim, recorde-se), começam os comentários de admiradores que concluíram já não ser possível ignorar os factos que a malha frouxa do segredo de justiça vai deixando escapar. Segue-se um ror de virtudes atribuídas ao preso 44 (no caso de Nicolau Santos, às virtudes seguem-se também versos de Kipling), entre elas a de coragem, virtude que, goste-se ou odeie-se José Sócrates, nele deverá reconhecer-se.

Por razões de ética e de estética não gosto de José Sócrates e, contudo, reconheço-lhe coragem, sobretudo em termos comparativos, numa paisagem de personagens patéticas agachadas atrás das conveniências e incapazes de assumir as suas ideias à luz do dia.

Só que coragem não chega ou é até inconveniente quando associada a ideias e a princípios errados ou à falta deles. Ou ainda, como é o caso de Sócrates, é mais arrogância e atrevimento combinados com a ausência de escrúpulos. O que quer dizer que não faz muito sentido avaliar uma pessoa por um atributo que quando associado a outros pode ser muito positivo ou muito negativo. Por exemplo, no caso de um sujeito desonesto, como José Sócrates mostrou ser, é para a sociedade pior que ele seja corajoso do que cobarde.

3 comentários:

Unknown disse...

O bicharel faz pose de "corajoso" , segundo o Artur Baptista da Siva,a.k.a. nicolau qualquer coisa, porque tem a garantia de a lide ser sempre "de salão" - nunca chegarão ao toiro em pontas...
Se não acreditam , tentem obter a opinião do nascimento, do monteiro e da d. cândida - que , nesta verdadeira tourada, assumem o papel de "inteligentes"...

Anónimo disse...

Grande verdade:
"é pior que ele seja corajoso do que cobarde"
A outra é:
"as personagens patéticas agachadas atrás das conveniências e incapazes de assumir as suas ideias à luz do dia"

Abraço

Unknown disse...

Já com o V.Azevedo os indefectiveis negaram e assinalaram a coragem.
Os escroques têm essa arte.