Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/06/2015

ESTADO DE SÍTIO: «A bolsa VIP do fisco» (5)

Continuação de (1), (2), (3) e (4)

Não é espantoso que uma questão relacionada essencialmente com a violação da confidencialidade dos dados fiscais tenha sido usada como arma de arremesso pela oposição e pelos sindicalistas e é agora pasto para os protestos destes últimos contra um «plano de acção desenhado pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) para reforçar a segurança informática e controlar o acesso aos dados fiscais»?

E porque protestam os sindicalistas? Por estarem «à margem das discussões»; por obrigar «os funcionários a justificar a consulta das informações fiscais»; por dificultar a «informação que os contribuintes solicitam via telefone ou via digital não lhes vai ser facultada» (é preciso uma grande lata e uma enorme falta de vergonha para contar estas estórias para serem lidas por quem algum dia tentou falar por essas vias para o Fisco).

Em conclusão, segundo o apparatchik do PCP que dirige o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, as medidas do plano de acção «só se podem entender à luz de tentar encobrir o crime da constituição da lista VIP e a tentar esconder a incompetência do secretário de Estado Paulo Núncio nesta matéria».

Sem comentários: