Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/06/2015

Estado empreendedor (96) – 40-Aspons-40

Ficámos a saber pela Agência Tass Lusa (citada pelo JusJornal), que teve acesso a informações (confidenciais, já que a coisa não se encontra no respectivo site) do relatório de actividades do Provedor da Justiça, das multidões que usaram as linhas telefónicas dedicadas: 701 pessoas ligaram para a Linha da Criança em 2014 e 3.139 outras ligaram para Linha do Cidadão Idoso, o que dá 2,7 e 12,1 em média por dia útil, respectivamente.

Agora percebo porque precisa o Provedor da Justiça de um quadro de pessoal com 136 almas (Decreto-Lei n.º 195/2001 de 27 de Junho) distribuídas por 6 «unidades temáticas» e outras unidades não temáticas, com a seguinte composição:
  • 11 dirigentes 
  • 40 assessores 
  • 6 técnicos-superiores 
  • 5 especialistas e técnicos de informática 
  • 7 técnico-profissionais 
  • 6 chefias 
  • 43 administrativos 
  • 18 auxilares 
Quando os lunáticos de serviço discursam com pompa e circunstância sobre a reforma do Estado o que eles querem significar são umas dúzias de ejaculações do órgão legislativo que garantam que nada mudará nas dezenas de milhar de sinecuras penduradas nas tetas da vaca marsupial pública.

Nota: Aspon para os brasileiros, que, como é sabido desde Eça, são portugueses expandidos pelo calor tropical, é um «assessor de porra nenhuma»

Sem comentários: