Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/06/2015

Dúvidas (102) – «Vendemos 21% do PIB desde 2008. E o que ganhámos?»

«Vendemos 21% do PIB desde 2008. E o que ganhámos?» pergunta a jornalista do i num artigo em que cita livro «Portugal à Venda» de Ana Suspiro. A pergunta pressupõe que a venda teve o propósito de ganhar alguma coisa e a jornalista responde: «desde 2008, empresários e governos portugueses venderam 37 mil milhões de euros em activos. A bolsa desapareceu, as empresas desvaneceram-se e agora... pouco ou nada sobra».

A pergunta certa seria porque tivemos de vender? Esta é  uma pergunta a que têm sido dadas respostas variando entre a ignorância e a estupidez, por um lado, e a desonestidade, por outro. Que foi por causa da crise, das agências de rating, do chumbo do PEC IV, da Alemanha ou, nos casos mais delirantes, que foi o governo neoliberal para desmantelar o sector público. As respostas fundamentadas e honestas são respostas inconvenientes que pouca gente está interessada em dar porque põe em causa 4 décadas de políticas públicas, 4 décadas de governação, 4 décadas de escolhas feitas pelos eleitores, 4 décadas de negócios de empresários portugueses, 4 décadas de consumo dos portugueses, etc.

Sem comentários: