Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/12/2013

Títulos inspirados (19) - Estaria a criatura a pensar na troika do NKVD?

O Arménio Carlos, controleiro do PCP na CGTP, que coexiste pacificamente com a memória do Gulag, do Holodomor, com o Grande Salto em Frente e muitas outras memórias do rasto de morte e miséria do comunismo, que já defendeu a ditadura do proletariado, a sociedade comunista, a democracia popular, a sociedade socialista, as nacionalizações, as conquistas de Abril e agora diz que defende o Estado Social é o mesmo Arménio Carlos que disse à equipa técnica da troika (que representa os credores que nos estão a emprestar dinheiro a juros de favor de metade do que o mercado nos cobraria) que «deixar os prisioneiros morrer à fome ou não os assistir na doença é um crime de guerra».

O camarada Arménio foi citado por uma jornalista de causas do Expresso que pranta na assombrosa peça de agitprop o ainda mais assombrosso título «Arménio quer troika julgada por crimes de guerra».

Estaria a criatura a pensar na troika do NKVD (особая тройка), comité criado em 1934 por José Estaline e responsável pela atribuição de penas administrativas (sem julgamento) de expulsão (высылка), exílio (ссылка), campos de correctivos de trabalho (ГУЛаг) e deportação (высылка)?

2 comentários:

JSP disse...

A boçalidade ignorante do mé-mé não lhe permite ter o sentido do ridículo...

FMCP disse...

eh pah... até sabes russo, porra! porque é que não vais pra lá agora que é um paraíso?