Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/12/2013

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (11) - O futuro segundo os intelectuais desiludidos é a ditadura do proletariado

Perdida a fé nas diferentes versões do socialismo, no estado social,  uma «intelectual orgânica» doméstica ressuscita os velhos profetas e os velhos mitos. Leia-se o extraordinário e delirante texto que se segue extraído de «Volta Marx, estás perdoado» da Pluma Caprichosa, Clara Ferreira Alves, a entrevistadora do «chefe democrático que a direita sempre quis ter».


«O futuro é, será, o triunfo absoluto de um sistema capitalista internacional sem controlo e sem fronteiras, sem adversário, desde a morte da URSS. Um sistema imune e inimputável, que recrutará os melhores agentes que a sociedade for produzindo. E quem não fizer parte deste mundo será eliminado. Evidentemente, os pobres e remediados querem fazer parte deste mundo, ninguém lhes oferecerá outro. Forman1 a nova classe social dos consumidores. Os protegidos e desprotegidos lutarão entre si com vigor e deslealdade para abocanharem as migalhas do banquete. 'The Hunger Games".

Uns morrerão e deixarão de ser obstáculo. E outros serão remetidos para as franjas do sistema, onde deambularão num Purgatório sem Dante nem Virgílio por companhia. A consciência literária será eliminada e a poesia, lamentável reminiscência da debilidade humana, será como todas as artes, um produto "do mercado".

O triunfo do que se chama por aí a ideologia neoliberal, mais não é do que um ato de autopreservação, uma posição altamente pragmática e nada ideológica (a ideologia é um pretexto para agentes políticos) determinará quem pertence e aceita as regras dos Jogos da Fome e quem as rejeita. Os rebeldes e os rejeitados, naturalmente, serão elin1inados.

E nesta utopia, donde virá para uma parte considerável da humanidade um considerável bem-estar, chegamos ao ponto interessante. Em vez de ser o capitalista a sacudir a poeira e rumar ao sol nascente, será o explorado e o insubmisso a sacudir a poeira do velho Karl Heinrich Marx. A velha luta de classes.

Os desapossados da classe trabalhadora ou ociosa, não todos mas os suficientes, revoltar-se-ão contra "a ditadura da nova burguesia". E o novo proletariado regressará para impor a sua ditadura. O sistema capitalista estará tão esquecido da história que se autocondenará a repeti-la.»

2 comentários:

Anónimo disse...

Outra maluca, como Raquel Varela.

jsp disse...

A leveza do pensamento, só comparável à leveza caprichosa da pluma...