Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

15/12/2013

A atracção fatal entre a banca do regime e o poder (14) - Espíritos praticam trampolim

[Mais atracções fatais: pesquisa Google]

Com o saboroso título «Espírito Santo Engages in Financial Gymnastics to Survive Crisis», o WSJ descreve as manobras já entre nós conhecidas há alguns meses «to find a source of easy cash: Over a 21-month period, it sold more than €6 billion ($8.27 billion) in debt to one of its own investment funds, sharply elevating the risk to investors.» O fundo ES Liquidez chegou a ter mais de 80% da carteira em dívida de curto prazo do GES.

É ilegal? Não. É «apenas» um problema de conflito de interesses em que o GES para aguentar o grupo a flutuar (ab)usa do património dos seus clientes expondo-os a uma concentração de risco absolutamente desaconselhável. Em rigor, se é que a palavra rigor ainda faz algum sentido neste contexto, é mais do que um «mero» conflito de interesses. A própria valorização destes títulos sem liquidez terá sido feita de forma inapropriada, inchando o valor carteiras do fundo ES Liquidez, ainda que respeitando a letra das normas contabilísticas.

É claro que o BdP teve que mexer neste assunto com mais pinças do que já habitual, tendo em atenção os créditos que GES amealhou em anos de convívio com o poder, quer no sentido estritamente financeiro, quer em sentido metafórico.

Sem comentários: