Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/12/2013

ARTIGO DEFUNTO: Se eles ao menos lessem os jornais onde escrevem (2)

Revelando como funciona a central de manipulação, quase todos os jornais destacaram a melhoria do desempenho dos estudantes portugueses em matemática revelada pelo relatório do PISA 2012 da OCED. Melhoria que, estava implícito na prosa, mas alguns escribas explicitaram-no, só poderia dever-se à obra educativa dos governos de José Sócrates. Conclusão um pouco difícil de sustentar dada que a média de 2012 é igual à de 2009. Ao mesmo tempo, aproveitou-se para pôr em causa as reformas de Nuno Crato que comprometeriam as prodigiosas realizações.

Vou dar como exemplo o Expresso, o «semanário de referência», mas poderia dar vários outros. Numa das peças do editorial, o director Ricardo Costa escreveu:
«Os resultados dos testes do PISA trouxeram boas notícias a Portugal e algum embaraço a Nuno Crato. Os mais recentes testes do PISA mostram que os nossos alunos fizeram progressos consistentes na matemática.»
Sabendo-se que o resultado de quaisquer medidas numa área destas leva anos a mostrar resultados, ceteris paribus, em quais testes terá sido significativo o contributo dos dois governos de Sócrates entre Março de 2005 e Junho de 2011? Alguma coisa no PISA 2009 e sobretudo no PISA 2012. Veja-se agora o seguinte diagrama publicado na pág. 16 do caderno principal:


Quais foram os «progressos consistentes na matemática» que trouxeram «embaraço a Nuno Crato»?

Sem comentários: