Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/12/2013

LA DONNA E UN ANIMALE STRAVAGANTE: A tradição já não é o que era (3)

Como explicar que na indústria provavelmente mais machista, sem quotas, Mary T. Barra seja nomeada CEO a primeira mulher na história da G.M., durante décadas o maior fabricante mundial de automóveis. Talvez porque é uma engenheira formada na própria empresa e lá trabalha há 33 anos, provou as suas competências e bateu na corrida para CEO uma mão cheia de marmanjos.

Para atingirmos o estádio de igualdade, segundo Simone Veil, só faltaria Barra ser incompetente e ter sido preferida a homens competentes. Não é certamente o caso, mas então e a discriminação do sexo feminino no mercado de trabalho não existe? Se calhar nem por isso e, em particular quanto aos salários, recomenda-se ouvir o que tem para dizer Steven Horwitz a esse respeito (visto aqui).

Esta é Simone Veil que está muito
melhor na foto do que Mary T. Barra
Não é extraordinário que na Europa das quotas até hoje não se vêem mulheres no topo das grandes multinacionais?

Sem comentários: