Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/12/2013

LA DONNA E UN ANIMALE STRAVAGANTE: Para tirar os trapinhos qualquer causa é boa (12)

Outros trapinhos tirados: (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10) e (11).

Deve haver uma razão, que por enquanto me escapa, para o feminismo militante insistir em tirar os trapinhos a propósito de quase qualquer coisa. Desta vez pretendia-se mostrar as partes pudendas «para lutar contra visão machista do corpo feminino».

O «toplessaço», como foi baptizado pelos cariocas, teve lugar na praia de Ipanema, infelizmente sem a presença da garota de Vinicius, e foi um sucesso e um fracasso. Foi um sucesso «pela presença massiva de curiosos e de um batalhão de fotojornalistas» em representação da «visão machista do corpo feminino» e foi um fracasso porque apenas algumas meninas tiraram os trapinhos superiores e, ainda assim, uma delas «a convite da emissora MTV».

Os casos mais apreciados foram o de Ana Paula Nogueira, «com a prótese de silicone desnuda e purpurinada», e o de Olga Solon, de 73 anos, que «posou para fotos sem blusa acompanhada pelo marido francês, mas logo colocou a roupa. Os dois moram há quatro anos no Arquipélago de Açores».

Mais uma jornada de luta

1 comentário:

Vivendi disse...

O marxismo cultural é bajulado pelo jornalismo de causas. Enfim.