Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/12/2013

ESTADO DE SÍTIO: A república dos juízes ou como tornar o país ingovernável

A esquerdalhada em geral e, em particular, o anexo do PCP conhecido como Fenprof descobriram uma nova forma de luta em substituição das manifs, peditório para o qual as «massas» já pouco dão, e em complemento das ocupações, dos piquetes de greve e dos tempos de antena concedidos pelo jornalismo de causas. Trata-se de plantar providências cautelares em dezenas de tribunais, esperando que pelo menos um dos juízes despache favoravelmente o boicote por sindicatos - por acaso representando em média uma minoria inferior a 20% dos trabalhadores - a uma decisão do governo, por acaso legitimamente eleito pela maioria dos eleitores.

1 comentário:

Anónimo disse...

O Tribunal Constitucional é que não deve ter gostado nada disto, pois mostra como está tudo a tornar-se tão ridículo.