Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/10/2013

Nem todos os obamas de Obama fazem felizes os obamófilos: episódio (73) – A insustentável leveza de Barack Obama

O título deste post é inspirado no título deste outro de Bret Stephens que tem um subtítulo ainda mais sugestivo: «o presidente não sabia que a NSA espiava os líderes mundiais, mas teve tempo para jogar pelo menos 146 partidas de golf». Segue-se uma lista de mais de uma dezena de situações recentes em que Barack Obama agiu e decidiu com ligeireza preocupante em áreas do maior interesse nacional para os EU.

Entre essas áreas, talvez a ligeireza e a incompetência mais graves se relacionem com o Obamacare, a respeito do qual se poderia dizer que Obama contribuiu mais para as dificuldades da sua implementação e para um eventual falhanço do que todos os lunáticos do Tea Party juntos. Na verdade, como explicar que o portal do governo para aderir a um dos seguros de saúde propostos pelas seguradoras no âmbito do Affordable Care Act e que constituem em 36 estados a única forma de acesso, simplesmente não funciona?. «The biggest threat to health reform is the administration’s own incompetence», conclui a Economist (Computer says no).

Sem comentários: