Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/10/2013

Estado empreendedor (76) - Sequelas do assalto ao Millenium bcp (III)

Continuação de (I) e (II).

Recapitulando, Joe Berardo compra acções do BCP com empréstimos, primeiro da Caixa (onde à época era presidente Santos Ferreira, mais tarde transferido para o BCP, no âmbito do assalto socrático ao BCP, sucedendo a Filipe Pinhal, homem de confiança de Jardim Gonçalves), do BES (por esta e por outras razões Filipe Pinhal escreveu o que escreveu sobre Ricardo Salgado, o banqueiro do regime socialista) e do Santander. Depois do afastamento de Filipe Pinhal da administração, o próprio BCP pela mão de Santos Ferreira financiou Berardo na compra de mais acções do próprio banco.

A coisa correu mal porque as acções do BCP, que Berardo deve ter comprado a um preço médio de cerca de 2 euros, foram caindo até quase 50 cêntimos há 4 anos. Correu mal para Berardo e para os bancos que o financiaram, a quem Berardo tinha oferecido como garantia as próprias acções do BCP. Pelo caminho Berardo ofereceu como garantia, que o Santander recusou mas os bancos do regime aceitaram, a colecção de arte que o governo de Sócrates alojou no CCB a expensas dos sujeitos passivos.

E assim chegamos, à actualidade com a participação de Berardo no BCP comprada a mil milhões a valer 66 milhões e os bancos que financiaram a compra (CGD, BCP, BES e Santander) a terem de registar as imparidades correspondentes e a limitarem a sua capacidade para financiarem a economia.

Sem comentários: