Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/10/2013

O tigre celta e o tareco lusitano (2)

Sequela de (1), por sua vez sequela de O rugido do tigre vs o miado do gato.

Enquanto por cá o governo, com destaque para o vice-primeiro ministro, continua a mistificar os portugueses (no caso do vice a enganá-los desavergonhadamente) acerca da reforma do Estado e do incontornável imperativo de cortar as pensões, de reduzir salários e despedir funcionários públicos, Enda Kenny, o primeiro-ministro da Irlanda, anunciou ontem que a Irlanda irá deixar o plano de resgate a 15 de Dezembro.

Ao mesmo tempo prevenia que «isso não quer dizer que os problemas financeiros já tenham sido atirados para trás das costas. Há, ainda, momentos difíceis à nossa frente. Há, ainda, caminho a percorrer.» Recorde-se que esta prevenção se seguiu a medidas como: corte de 10% dos funcionários públicos, corte de 10% das pensões, corte de 10% dos salários dos funcionários públicos, cortes de 10% das despesas sociais de saúde  educação.  Não admira pois que os comedores de batatas estejam a sair do primeiro resgate e os tugas estejam a preparar-se para o segundo.

Sem comentários: