Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/10/2013

ACREDITE SE QUISER: Separadas à nascença

Em 1948 a Coreia separou-se em duas: no Norte o Partido Comunista liderado por Kim Il-sung (o pai do actual querido líder Kim Jong-il Kim Jong-Un) tomou de assalto o poder com o apoio da União Soviética; no Sul realizaram-se eleições fiscalizadas pelas Nações Unidas e foi declarada constituída a República da Coreia e empossado Syngman Rhee como primeiro presidente - uma espécie de autocrata eleito.

Dois anos mais tarde, em 1950, o exército da Coreia do Norte invadiu a Coreia do Sul iniciando uma guerra de 3 anos que terminou com o armistício de 1953 e a separação em dois Estados - o norte um Estado comunista com uma ditadura de partido único que dura até hoje, comandado pelo querido líder e sua descendência, e o Sul com um Estado capitalista com um regime autocrático que se foi gradualmente liberalizando até ser uma democracia, com separação de poderes, partidos políticos e eleições livres.

Em 1961 a Coreia do Sul tinha metade do rendimento per capita da Coreia do Norte. 50 anos depois, a Coreia do Sul tem um PIB per capita (PPP) 18 vezes superior ao da Coreia do Norte (USD 32.800 contra 1.800). Coreia do Norte onde o ano passado foi reduzida de 145 para 142 cm a altura mínima exigida aos recrutas, por causa do raquitismo da geração actual devido à fome desde a década de 90.

Lembrete: foi esta Coreia do Sul Norte que o camarada Bernardino Soares, ex-líder parlamentar do PCP e actual presidente da câmara da Amadora de Loures, há uns anos declarou não estar certo de que não fosse uma democracia.

Declaração de interesse: eu não gostaria de viver num regime que o camarada Bernardino considerasse uma democracia.

Errata: o camarada Bernardino deixa-me tão confundido que troquei o Norte pelo Sul, Loures pela Amadora e ao Kim Jong-Un chamei-lhe Kim Jong-Il. Está demonstrada a minha irremediável inépcia para lidar com estes democratas. Aqui fica a minha autocrítica. Obrigado aos camaradas leitores que me corrigiram.

6 comentários:

Anónimo disse...

por favor verificar o ultimo paragrafo!

Anónimo disse...

Perdão...Penúltimo paragrafo!

esseantonio disse...

Que tal corrigir Amadora para Loures???

Anónimo disse...

... e Coreia do Sul para Coreia do Norte..!

Anónimo disse...

Não se preocupe com as confusões provocadas pelo camarada Bernardino... ou Boinardino, no gestual do quase camarada ALLgarve..

Neves

PT disse...

Já agora, o actual líder chama-se Kim Jong-Un. O Kim Jong-Il já foi democraticamente fazer companhia aos outros vermes.