Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/10/2013

Um dia como os outros na vida do estado sucial (13) – Não é grave, são apenas mais dos mesmos delírios

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) concluiu que o OE 2014 tem mais 600 milhões de cortes do que o anunciado pelo primeiro-ministro à troika em Maio, mas ainda sim não chegam para atingir o objectivo do défice (4%). Ou seja, o mais é de menos.

O antigo ministro das Finanças Teixeira dos Santos, o tal que atraiçoou o «chefe democrático que a direita sempre quis ter» pedindo ajuda à CE, agora já perdoado, entende que a proposta de OE 2014 «apesar de proceder à redução do peso da despesa, vai longe demais». Ou seja, o mais é de mais.

Numa galáxia distante, a Associação de Empresas de Construção Civil e Obras Públicas, anuncia que o país precisa de 200 mil milhões de euros para reabilitação e conservação do património edificado. O jornalista escreve que essa verba é «um pouco mais que o Orçamento de Estado para este ano», antecipando premonitoriamente um colossal orçamento rectificativo que aumentará a despesa da proposta de OE de menos de 80 mil milhões para os tais 200 mil milhões. Ou seja, o mais é «um pouco mais».

Numa outra galáxia ainda mais longínqua, a doutora em História Política e Institucional Raquel Varela, a mesma que prefere o desemprego ao emprego a salário mínimo, defende na mesma linha «uma solução inovadora quanto à utilização do FEFSS: A Segurança Social podia financiar empréstimos para compra de habitação … porque não precisa de cobrar juros e spreads usurários … E os juros cobrados serviriam para financiar a própria segurança social.» Ou seja, uma segurança social já insustentável que aplica as reservas que apenas chegam para pagar uns meses de pensões às taxas de juro do mercado, ficaria mais sustentável aplicando essas reservas a juros módicos para a compra de algumas das mais de um milhão de casinhas que se encontram devolutas.

Já mais próximo de nós, o advogado João Vale e Azevedo vem sendo acusado de vários crimes desde há mais de 13 anos, foi preso em 2001 e condenado a 6 anos de prisão e desde então vem sendo detido, libertado e novamente detido sucessivamente, e por último condenado este ano a 10 anos de prisão. A Ordem dos Advogados, 13 anos depois, acaba de expulsar João Vale e Azevedo, batendo todos os recordes de lentidão anteriormente atribuídos à Justiça. Ou seja, o mais é ainda muito mais.

Sampaio da Nóvoa, o proto candidato a PR em representação do Dr. Mário Soares que está de baixa sem atestado, interrogado pelo jornalista de serviço a esta causa sobre se «já teria posto fim ao estado das coisas», antecipou, em preparação para o desempenho do cargo, que a sua decisão seria «uma renovação da dimensão democrática, com a convocação de eleições». Ou seja, é mais um democrata do reviralho que uma vez em Belém exerceria o seu múnus convocando mais eleições até os resultados se conformarem mais com a «dimensão democrática».

Sem comentários: