Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/10/2013

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: O cobrador do fraque vai abrir um escritório no Terreiro do Paço

[Uma espécie de continuação deste post de há 4 anos]

Se as contas do FMI estiverem certas, as necessidades de financiamento do Estado português, incluindo as maturidades dos Bilhetes do Tesouro, nos dois próximos anos atingem um total de 72,5 mil milhões de euros, correspondentes a 22,1% e 20,5% do PIB, em 2014 e 2015, respectivamente.

A tesouraria da Dr.ª Maria Luís, com os seus 15 ou 20 mil milhões de euros, apesar de fazer inveja ao Dr. Teixeira dos Santos que deixou a tesouraria seca e por isso foi a correr pedir dinheiro ao FMI, chegará quanto muito para o 1.º semestre de 2014.

Quem é que falou em «folga», ou «crescimento» ou «fim da austeridade» com o cobrador do fraque a bater-nos à porta todos os dias?

Sem comentários: