Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/10/2013

DIÁLOGOS DE PLUTÃO: O Senhor Professor quer comer o bolo e ficar com ele

Jornalista: Senhor Professor, o que pensa desta da nova tabela salarial para os funcionários públicos?
Senhor Professor: É discriminatória, injusta e ofensiva.

Jornalista: E o que devemos fazer?
Senhor Professor: É altura de dizer basta e de fazer este governo recuar porque a continuar por este caminho, qualquer dia temos aí uma ditadura.

Jornalista: Assim tipo corporativismo, quando o Senhor Professor era membro da Câmara Corporativa?
Senhor Professor: Não percebo o que quer dizer...

Jornalista: Devemos então adoptar outras políticas…
Senhor Professor: Sem dúvida. Devemos acabar com a austeridade e promover o crescimento…

Jornalista: Para isso precisamos de dinheiro para investir e de outro governo?
Senhor Professor: Certamente precisamos de soluções políticas com um outro governo. Este governo está a tomar medidas que são todas inconstitucionais, para criar um conflito grave com o Tribunal Constitucional e, a partir daí, poder demitir-se e exigir eleições.

Jornalista: Mas não é isso que o Senhor Professor quer?
Senhor Professor: Não. O que quero é que o governo seja demitido e substituído por um de salvação nacional nomeado pelo Senhor Presidente da República. Se o governo se demitir e exigir eleições, ainda são capazes de as ganhar e então é que temos aí uma ditadura.

[Diálogo imaginário entre um jornalista e um Senhor Professor, inspirado nesta entrevista]

Sem comentários: