Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/10/2013

ESTADO DE SÍTIO: Ficar com os dois diabos em vez de escolher um deles

Uma das «externalidades» da nomeação de Rui Machete foi azedar a relação com a nomenclatura cleptocrata de Angola que o actual e os governos anteriores têm tentado cultivar, de olhos bem fechados, a pretexto da chuva de dólares que acreditam de lá poderem vir – e têm vindo. No estado de necessidade resultante da bancarrota em que o país se encontra, percebe-se que seja feita vista grossa às iniquidades que por lá se passam.

Por várias razões. Porque em termos relativos não é mais difícil de fazer hoje vista grossa à nomenclatura angolana do que já foi no passado, durante a guerra civil em que o PREC e os governos provisórios portugueses tiveram grandes responsabilidades. Porque não é mais difícil fazer vista grossa à nomenclatura angolana do que à nomenclatura venezuelana ou à cubana, para não ir mais longe. Porque não é da responsabilidade de um governo, que nem consegue endireitar o próprio país, endireitar os outros.

Em vez de indignações postiças com o editorial do Jornal de Angola que classifica as elites portuguesas de «corruptas e ignorantes», deveríamos ser capazes de fazer a pergunta de Alberto Gonçalves: «conhecem alguém capaz de jurar que o Jornal de Angola não tem razão?»

Dito isto, o estado actual inquinado das relações Portugal-Angola parece indiciar que em vez de ficarmos bem com a nomenclatura e bem com os negócios ou bem com os princípios e mal com a nomenclatura, estamos a ficar mal com a nomenclatura, mal com os negócios e mal com os princípios.

Sem comentários: