Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/10/2013

ARTIGO DEFUNTO: O jornalismo de causas praticado imoderadamente pode conduzir à alienação

Na promoção da manif de ontem «Não há becos sem saída» da iniciativa do agrupamento folclórico «Que se lixe a troika», o Expresso publicou a imagem seguinte com um título do tipo to do listHoje é dia de 'manif' pela demissão do Governo e expulsão da troika») e uma legenda que, a ser levada a sério, conduziria ao internamento psiquiátrico do jornalista de causas em causa.


Os 800 mil manifestantes reclamados na legenda seriam o equivalente a 10 missas de Bento XVI com 80 mil participantes em Maio de 2010. Recordemos a fotos deste post (subtraídas ao Fiel Inimigo):

Se em Março deste ano o jornalismo de causas da SIC Notícias reclamou 500 mil manifestantes numa operação de álgebra de causas em que 1 que-se-lixe-a-troika = 10 viva-o-Papa, desta vez o jornalismo de causas do Expresso excedeu todos os delírios anteriores e usou o «multiplicador» 1 que-se-lixe-a-troika = 16 viva-o-Papa.

Entretanto, apesar de todo o esforço promocional, na manif de sábado estavam uns «milhares de pessoas» que parece que eram «duas mil pessoas» em Lisboa, segundo o Expresso. Já o jornalista de causas do Público cita a organização que dá valores ao multiplicador de manifs entre 5 e 10 e fala em «dez a vinte mil manifestantes só em Lisboa». No Porto o multiplicador baixou e o Público fala em 2 mil. «Nas restantes cidades, segundo o CM, a participação foi da ordem das dezenas de pessoas, e em Castelo Branco a manifestação foi mesmo desconvocada à última hora por falta de participantes

Esta familiarização dos indignados com os multiplicadores leva-me a concluir que seria uma boa ideia integrá-los na coligação que suportará o próximo governo de António José Seguro. Os seus contributos poderiam ser decisivos para aprovar e executar um orçamento de crescimento, logo após a expulsão da troika (de preferência deixando ficar os 80 mil milhões).

Sem comentários: