Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/10/2013

ARTIGO DEFUNTO: Os especialistas das manifestações pronunciam-se sobre a falta de quorum

«A pouca participação nas manifestações de contestação às políticas governamentais… preocupa os especialistas.» E o que dizem os «especialistas»? Segundo o Público, que está infestado de encartados em manifs e se especializou na sua promoção, dizem imensas coisas. Só não dizem o essencial: o número de pessoas que acreditam em quem promove as manifs e nos seus resultados para resolverem os problemas das suas vidinhas é cada vez menor. Na verdade, tirando os profissionais das manifestações promovidos a representantes do povo, ninguém lá põe os pés.

É mau? Pelo contrário, mostra que o povo tem um módico de lucidez e de bom senso e certamente muito mais do que os lunáticos do agitprop pensam que o povo tem. É novidade? Nem por isso. Quase todas as manifs do PREC promovidas pela esquerdalhada eram feitas por umas dezenas de milhares de manifestantes que se moviam de uma para outra. As mais concorridas foram precisamente as que se manifestavam contra o poder das manifestações para governar a partir da rua.

Sem comentários: