Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/10/2013

Pro memoria (139) – E se de repente um primeiro-ministro da direita dissesse o que disse o «chefe democrático que a direita sempre quis ter»?

«Sócrates sobre o BPN: "Não sabia o que aquilo era"»
«… mas o meu grupo de conselheiros são sempre as mesmas pessoas e é um grupo muito restrito …nunca me ocorreu que aquilo fosse o que é». (teaser do Expresso para a entrevista a publicar amanhã)

Se, em vez do «chefe democrático que a direita sempre quis ter», fosse um primeiro-ministro de direita cairia o Carmo e a Trindade, os tambores do jornalismo de causas rufariam, o PS incendiar-se-ia de indignação, os comunistas e os bloquistas convocariam manifestações, as 20 criaturas que compõem o Que Se Lixe a Troika berrariam, os movimentos de reformados cantariam a Grândola.

Sem comentários: