Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/10/2013

Nem todos os obamas de Obama fazem felizes os obamófilos: episódio (72) – Obama contra Obama

Parece ter ficado adiado por uns tempos o braço de ferro entre republicanos do partido do chá e democratas amantes do Estado que quase paralisou o governo durante as últimas semanas por esgotamento do tecto de dívida autorizada. Já agora, é oportuno lembrar algumas coisas.

Primeiro, esta situação já aconteceu dezenas de vezes desde 1917. Até então cada emissão de dívida tinha de ser aprovada pelo Congresso e pelo Senado. Depois disso é aprovado um limite de endividamento que o executivo não pode exceder.

Segundo, este braço de ferro que tanto indignou o presidente Obama, não tinha indignado o senador Obama por Illinois quando em 2006 votou contra o aumento da dívida, explicando que «the fact that we are here today to debate raising America’s debt limit is a sign of leadership failure» e por isso votaria contra «because America’s rising debt was “a hidden domestic enemy” that robbed cities of investment, children of schools and old people of their pensions». (Economist 12 Outubro)

Eu diria mesmo mais, o senador Obama estava carregado de razão.

1 comentário:

Vivendi disse...

Quer dizer, em 2006 ele ainda não estava "carregado" com a dívida.