Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/10/2013

Pro memoria (136) – O Dr. Portas, o guião/argumentário, a troika, o antes e o depois

Dão-se alvíssaras a quem encontrar o guião/argumentário, não o de Woody Allen, que se lhe pagarem escreverá um, mas o do Dr. Portas que vai para 8 meses ainda não apareceu.

Mas já não é preciso. O Dr. Portas deu corda aos sapatos foi falar com os chefes do FMI e os de Bruxelas, empertigou-se, pôs a mão na anca, bateu o pé, deu-lhes um responso: nada de mais austeridade, precisamos é de crescimento, o défice tem de aumentar, precisamos de folgas, não podemos cortar mais aos velhinhos e tudo o mais que se sabe.

Os funcionários dos chefes vieram cá para a 8.ª e 9.ª avaliações, com o rabito entre as pernas, cheios de temor e reverência ao Dr. Portas que no final explicou com grande à vontade que «a troika não reviu a sua posição, apenas aceita 4%».

Sem comentários: