Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/11/2013

ESTADO DE SÍTIO: O guião/argumentário do Dr. Portas só desiludiu quem estava iludido

A primeira coisa que salta à vista no guião/argumentário do Dr. Portas, cuja gestação consumiu quase nove meses, é o lettering. Com o seu Arial Narrow corpo 16, é uma boa escolha para pessoas visualmente diminuídas e, portanto, muito adequada para o público-alvo do argumentário.

A segunda é a extensão do guião que daria para um filme de grande duração – por exemplo o «Hitler: ein Film aus Deutschland» de Hans-Jürgen Syberberg que dura mais de 7 horas.

A terceira é que, se olharmos para a coisa como um movie script, falta saber como e onde vamos rodar o firme, quem vai dirigir o filme, quem são os actores, o guarda-roupa, etc. e, acima de tudo, quem é o produtor.

Voltando ao propósito do guião/argumentário do Dr. Portas que se diz ser um «guião com orientações para a reforma do Estado, … uma proposta aberta para discutir com os partidos e os parceiros sociais», sujeitemo-lo ao teste OQOQCP:
  • Sabemos «O quê» vai ser feito, isto é que reformas vão ser feitas? Não, o guião/argumentário é um dilúvio de palavras num deserto de medidas concretas.
  • Sabemos «Quem» vai fazer essas reformas? Não sabemos, porque nem sabemos qual o governo que estará em exercício quando serão feitas as reformas que não sabemos quais são.
  • Sabemos «Onde» serão feitas essas reformas que não sabemos quais sejam nem quem as fará? Não sabemos.
  • Sabemos «Quando» serão feitas essas reformas que não sabemos quais sejam nem quem as fará? Enfim sabemos que serão feitas durante duas legislaturas; mas saberemos o que fazer no 1.º, 2.º … 8.º anos? Não sabemos.
  • Sabemos «Como» serão feitas essas reformas que não sabemos quais sejam, nem quem as fará, nem quando? Não sabemos.
  • Sabemos «Porquê» devemos fazer essas reformas? É a única coisa que sabemos: se não forem feitas a bancarrota conjuntural converte-se em falência irremediável.
Para terminar, por agora, comparemos a verborreia derramada por 112 páginas em Arial Narrow corpo 16 do guião/argumentário «UM ESTADO MELHOR» com as 34 páginas em ArialMT corpo 11 do «MEMORANDUM OF UNDERSTANDING ON SPECIFIC ECONOMIC POLICY CONDITIONALITY», e fica-se esclarecido porquê conseguimos saber que não estamos a cumprir o programa contido nessas 34 páginas e porquê nunca seremos capazes de saber se cumprimos um programa que não existe no guião/argumentário, nem dele poderá resultar.

Embora seja improvável que o PS se digne discutir o guião/argumentário, na verdade nada o impediria de o fazer considerando a vaguidade do documento, a profusão de lugares comuns e ideias redondas à altura do vazio programático de António José Seguro.

Sem comentários: