Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/11/2013

Bons exemplos (72) – A integridade é uma raridade e la crème de la crème é um pastel de nata da 3.ª geração

A propósito da homenagem de ontem, é oportuno lembrar que António Ramalho Eanes proporciona dois exemplos notáveis. Um bom exemplo de integridade de um homem que nunca instrumentalizou em seu proveito nenhum dos cargos públicos que exerceu com grande desprendimento (entre outras coisas recusou em 2000 a promoção a marechal que lhe teria rendido muitas centenas de milhares de euros) e um exemplo de que de boas intenções está o inferno cheio quando promoveu, ou deixou que se promovesse, durante o seu segundo mandato como PR, um partido à sua imagem constituído por arrependidos do PSD e do PS.

Não estará ao nível de Cristiano Ronaldo ou de Mourinho no top 3 dos melhores do mundo nas suas profissões, para isso teria que ser CEO da VW, Toyota ou Ford, mas na área da gestão profissional, além de António Horta-Osório, neste momento, só Carlos Tavares acabado de nomear para a Peugeot-Citroën conta em termos de genes portugueses (por parte dos avós no caso de CT) na primeira linha do mundo do management internacional.

1 comentário:

Anónimo disse...

Não sei se sabem mas o mémé mafioso das Pharmácias quis tê-lo como mandantário para a câmara de Cascais. A pressão era via filho Eanes a quem o mémé arranjou uma negociata de exportação de phármacos para Angola.
O plano era ser, mais tarde, quando possível, ministro da saúde do PS. Estávos bem arranjados com "F",