Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/11/2013

ARTIGO DEFUNTO: O tiro no pé do jornalismo de causas

Sem surpresa, o jornalismo de causas francês e as suas cópias domésticas salivaram de excitação com o ataque a tiro no jornal Libération – o lugar geométrico do radical chic francês – que fez um ferido grave. O Libé, como é conhecido entre os ungidos, publicou no dia seguinte um artigo, com o pomposo título «Nous continuerons», vitimizando-se, clamando «l’horreur absolue» e garantindo «Libération ne changera pas», insidiosamente implicitando que estaria a ser atacado pelas suas ideias por um fanático.

«Inúmeros jornalistas preparavam os teclados para uma história-tipo do solitário de extrema-direita que abomina imigrantes em geral e árabes em particular, além de manter conversas no Facebook com organizações protonazis. Acrescentavam-se dois parágrafos acerca do perigo dos nacionalismos e o artigo estaria pronto. Azar. Saiu-lhes Abdelhakim Dekhar.» (Alberto Gonçalves no DN).

Mas o pior de tudo é que Abdelhakim Dekhar não só era um perigoso esquerdista, como tinha sido ele em 1994 a armar um casal de anarquistas franceses que assaltaram polícias para lhes roubarem as armas e em meia hora fizeram cinco mortos, incluindo o cabeça de casal. (Ferreira Fernandes no DN)

Sem comentários: